Energia limpa: de “alternativa” à principal até 2030?